domingo, 12 de outubro de 2014

Michel Zaidan Filho: O sentimento de náusea do mundo político pernambucano


 



            Quando Miguel Arraes de Alencar  tomou posse, pela terceira vez, do Governo de Pernambuco, ele citou uma conhecida frase de Carlos Drummond de Andrade que dizia: "tenho duas mãos e o sentimento do mundo". Se foi mais do que uma  mera frase de efeito, significaria que o velho líder do PSB queria dizer que, embora despojado de riqueza e poder, era portador do sentimento fundo das iniquidades sociais e que trabalharia para combatê-las, no exercício do seu último mandato. Infelizmente não pode fazê-lo,  em função da política de "terra arrasada" praticada contra ele pelo governo do PSDB e do PFL (leia-se Fernando Henrique  Cardoso e Jarbas Vasconcelos). Negaram-lhe até a antecipação de receita da privatização da CELPE, com que ele poderia pagar a folha dos servidores do Estado, no fim do seu melancólico mandato.

            É, portanto, com um sentimento de náusea  que se pode contemplar o espetáculo degradante em que se tornou o mundinho político de Pernambuco, reduzido aos interesses de uma família (mãe, nora, filho, irmão, primo, cunhada etc.) Foi nisso que se transformou o calvário da prisão e do exílio do velho Arraes: na formação de mais uma oligarquia familiar, que certamente pensa que o estado é seu  e pode ser rateado ou distribuído entre os parentes, os amigos e apaniguados. Alguns, muito novos, aliados de vésperas ou de conveniência. É nisso que se transformou o "leão do norte". Um mero botim para satisfação da ambição e a cupidez de uma minoria, atrelada  -na última hora  -à carruagem do vencedor.

           E as denúncias só se acumulam. Quando vamos desengavetar os processos sobre as licitações fraudulentas, que tratam de propinas aos políticos do PSB e PSDB, entre nós? Quando será apurado a denúncia do propinoduto da Petrobrás e o superfaturamento da Refinaria Abreu e Lima? - E os grampos da Polícia Federal, que surpreenderam as ligações promíscuas entre empresas e políticos do PSB. E o avião fantasma de Eduardo Campos? - E a doação post-mortem do ex-governador à irmã Marina Silva? E o favorecimento do candidato vencedor a empresários que intermediaram a compra da aeronave? - Nada vai ser apurado? Vai tudo para debaixo do tapete, como aconteceu com os escândalos do longo governo do FHC?

            Se nada for feito para apurar as denúncias e esclarecer a opinião pública, temos de convir que o processo eleitoral e seus resultados estão sob suspeita. A vitória eleitoral está longe de ser um indulto  ou anistia  para os crimes cometidos durante a campanha política. Pelo contrário: essa vitória será contestada, a cada minuto, pelas perguntas, dúvidas, incertezas, silêncio em relação aos indícios apresentados, desde o início, do processo eleitoral.Nem a morte, nem a vitória representam a  porta larga dos cortesões ao paraíso, por mais atraentes que sejam as burras de dinheiro do erário público, os cargos, as demissões, o tráfego de influência, o nepotismo, o troca-troca de favores e apoios recebidos etc.

           Se o Estado for mais do que um mero mercado persa, um balcão de negócios ao arrepio da lei e do controle da sociedade, é preciso agir: dá um basta a este festim alimentado pela memória de um morto, mas a serviço dos vivos, bem vivos - que sobreviveram para contar o dinheiro, as benesses, as vantagens auferidas pela necrofilia política praticada pelos amigos e correligionários.

           Os nossos ancestrais indígenas comiam a carne de seus adversários mortos (o banquete totêmico) numa espécie de homenagem à força, a sabedoria e a coragem dos inimigos. Mas esse canibalismo político atual, visa exclusivamente o botim, as vantagens, o lucro. Não a grandeza, despojamento, vocação de serviço, carisma, dom ou seja lá o que for. Apenas interesses. Só interesses.

                   Quanto tempo mais, estaremos dispostos a suportar esse triste espetáculo?







27 comentários:

  1. Parabéns caríssimo Zaidan, é o primeiro texto lúcido sobre essa triste peça protagonizada pelos filhos de Eduardo em meio a cúpula do governo de Pernambuco contradizendo o Bravo Camarada Miguel Arrais e a história de um povo guerreiro e de lutas de libertação, conforme eternizou nosso hino: Pernambuco de bravos guerreiros e fecha com AQUI NASCEU A REPÚBLICA.
    sua história de.lutas de libertação, conforme eternizou nosso hino: Pernambuco de bravos guerreiros e fecha com AQUI NASCEU A REPÚBLICA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Francisco Romildo Silva. A lucidez dos escritos de Zaidan sobre a formação dessa nova oligarquia política no Estado de Pernambuco vem de longas datas, conforme é possível observar pelos inúmeros artigos do professor, alguns deles publicados aqui no blog. Um forte abraço!

      Excluir
  2. Colocando os pingos nos iiiis, Zaidan dá diagnóstico do Estado de Pernambuco.

    ResponderExcluir
  3. Acho que tem um grande equívoco, quando um un inimigo do povo surge, todas as forças tem que se unir mesmo antagônicas, foi assim sempre e sempre será, não nos esquçamos de Collor, e mais distante Hitler.

    ResponderExcluir
  4. Prezado Prof. Dr. Michel Zaidan, ao ler este artigo, peço a mais respeitosa licença em fazer comparativos. Coisa parecida eu venho conversando com meus amigos de luta (claro que sem essa concisão, coerência com que escreves), mas é isto mesmo!
    Depois eu quero escrever um texto sobre 2 horas de convivência como servidor público estadual que tive com Dr. Arraes, em junho de 1998 (que talvez tenha sido os seis meses mais doloridos de sua vida política).
    Abraço.
    Assuero Guerra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Assuero. Quando o texto estiver pronto, estamos à sua disposição para publicá-lo no blog. Um forte abraço!

      Excluir
  5. Palavras ao vento..." Os homens distinguem-se entre si também neste caso: alguns primeiro pensam, depois falam e, em seguida, agem; outros, ao contrário, primeiro falam, depois agem e, por fim, pensam." Leon Tolstoi. Não se critica o que não sente. Analisar é fácil, principalmente para quem domina o tema. Espetáculos particular, em grupos ou em grande dimensão temos em todas as partes do mundo. Falar dos filhos de Renata e Eduardo Campos do legado de Dr. Miguel Arraes não vai mudar em nada o que esta escrito pela política no Brasil!. É preciso MUDAR. Critica construtiva é sempre bem vinda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem toda palavra é lançada ao vento. Essas do Zaidan foram lançadas na alma de muitos para uma reflexão crítica sobre os ideais e a polįtica do nosso estado. Se pelo menos em mim, essas palavras tiveram efeito em meu espįrito. Então seu argumento cai por terra. E Zaidan realiza o seu objetivo. Que nos fazer pensar sobre a nossa realidade política.

      Excluir
    2. Se acha que vai haver alguma mudança com o Patético Neves, pode ir tirando o cavalinho da chuva: ele e seus asseclas arrasaram Minas Gerais e, se Deus não entrar no meio, farão o mesmo com Pernambuco e o Brasil!

      Excluir
  6. Parabéns por toda a verdade fortemente escrita! Triste Pernambuco

    ResponderExcluir
  7. Triste ficaria Arraes se a sua família subisse no palanque de Dilma, onde estão Maluf, Collor, Sarney, Renan e o que há de mais sujo na política brasileira, estes que estão pilhando o nosso país, numa escala nunca vista na história recente.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns! Brilhante análise. Náusea, esse é o sentimento! Todos estão sem entender... mero jogo de interesses e não defesa de idéias, princípios! Ninguém aguenta mais!

    ResponderExcluir
  9. E os comentários do governo do PT pedindo ao povo para evitar carne devido à inflação?
    O clã da família Arraes não é perfeito, mas tem feito muito pelo Estado.

    ResponderExcluir
  10. Publicado no domingo, este artigo do professor Michel Zaidan já obteve 21 mil acessos, um dado alvissareiro e ao mesmo tempo surpreendente, quando se considera, por exemplo, a ainda incipiente capilaridade deste blog. Gostaríamos de agradecer aos nossos leitores e todos que estão deixando seus comentários.Um forte abraço a todos e continuem prestigiando e divulgando o nosso blog.

    ResponderExcluir
  11. se possível divulgue
    FOMOS TODOS SEVERINOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A FUNCIONALIDADE ECONÔMICA DOS POBRES - Tadeu Alencar Arrais
    15/10/2014 12:00
    Somos muitos Severinos
    iguais em tudo na vida:
    na mesma cabeça grande
    que a custo é que se equilibra,
    no mesmo ventre crescido
    sobre as mesmas pernas finas,
    e iguais também porque o sangue
    que usamos tem pouca tinta.
    João Cabral de Melo Neto, Morte e vida Severina


    Leia mais: http://www.cadernoterritorial.com/news/fomos-todos-severinos:-uma-reflex%C3%A3o-sobre-a-funcionalidade-economica-dos-pobres-tadeu-alencar-arrais/?utm_source=copy&utm_medium=paste&utm_campaign=copypaste&utm_content=http://www.cadernoterritorial.com/news/fomos-todos-severinos%253a-uma-reflex%25C3%25A3o-sobre-a-funcionalidade-economica-dos-pobres-tadeu-alencar-arrais/
    Crie seu site grátis: http://www.webnode.com.br

    ResponderExcluir
  12. Bem calculada as palavras deste texto e como uma fotografia impressionante ficará bem marcada no inconsciente de quem tiver a oportunidade de lê-lo.

    ResponderExcluir
  13. O principal caminho para melhora é a reflexão critica, não podemos colocar nosso direito politico-democrático na mãos de um a unica família que só representa seus próprios interesses, a família de Eduardo não me representa eu sou unica em meu direito de reflexão e tenho discernimento para decidir em quem votar.Por isso mais uma vez parabéns professor pela grandiosa aula de Historia de Pernambuco, e como estudante de História aprendi que umas das coisas a qual a historia se curva é o sentimento de olhar os erros do passado e não comete-los mais,porem o passado também nos mostra acertos, acredito que ao povo brasileiro falta éconhecer um pouco de sua historia e fazer uma reflexão critica dela só sairemos desta triste oligarquia.

    ResponderExcluir
  14. Nesta fase final de campanha , prefiro evitar a emissão de juízo pessoal de valor intrínseco , mas vejo que está exemplarmente muito bem redigido , parabéns !!!

    ResponderExcluir
  15. se eu soubesse que ia chegar a ver isso... prefiria que a familia tivesse no voo que infelizmente matou Eduardo! ele não era lá esse politico maravilhoso que falam, nenhum é... mas ajudou muito onde devia e papou pouco dinheiro... mas depois da morte dele a familia apoiar ex FHC? kkk é pegar em merda com as 2 mãos e em rede nacional!

    ResponderExcluir
  16. Analise precisa. Quem mora em Pernambuco e procura acompanhar o desenrolar político e sente na pele o que isso determina na vida do cidadão pernambucano tem percepção semelhante. Clareza e lucidez na escrita deste brilhante texto.

    ResponderExcluir
  17. Paulista de Taubaté, onde fundei o PSB, trouxe o dr. Arraes a minha cidade, e o acompanhei em Osasco e São em outras oportunidades. Assim como convivi com Cristina Tavares e Marcos Freire, um pouco menos com Fernando Lyra. Com todos tive e ainda tenho grandes amigos em comum. Sei que o povo de Pernambuco jamais trairá tais memórias. Agradeço a vocês, pernambucanos como Gregório Bezerra, Davi Capistrano pai e filho (o filho, muito meu amigo aqui em SP), pela nobreza e valentia em defenderem a Democracia e nosso Brasil! À vitória, meus irmãos de Pernambuco!

    ResponderExcluir
  18. Aqui as oligarquias, permanece organizado a ideologia, de um povo sofrido, desprezado, humilhado e escravizados pelas promessas feitas por esses ludíbrios. Esses coronéis que só mudou-o a fabulação de expressar suas quimeras para um povos que ainda acredita em discursos. Exemplo disso foi a promessa que dobraria o salário do professor. Pura utopia. Fico feliz por termos um texto rico, objetivo, de verdade, "verdadeira". Parabéns professor.

    ResponderExcluir
  19. Vamos fazer uma corrente para combater o mal do século que é essa famìlia CAMPOS,claudemilsomnascimento@gmail.com

    ResponderExcluir
  20. Parabéns belo texto, uma análise real dos fatos que continuam a acontecer pautados em uma "necrofilia política" recente, esquecendo-se das lutas de outrora travadas pelo grande Miguel Arraes um dos maiores nomes da política nacional

    ResponderExcluir