quarta-feira, 2 de março de 2016

#meuprimeiroemprego/João Paulo Costa ou, para não dizer que não falei do novo emprego do filho do Sílvio Costa.



Creio que um dos fatores mais importantes nessa discussão em torno das recentes nomeações dos filhos do ex-governador Eduardo Campos para ocuparem cargos de confiança nos Executivos Estadual e Municipal, é o caráter "pedagógico" que se sobressai nesses embates, desvelando a teia ou engrenagem de capital econômico e simbólico que dão sustentação à ascensão meteórica das carreiras profissionais desses jovens. Em circunstâncias adversas, do ponto de vista do capital econômico e simbólico ( e porque não dizê-lo, político, com permissão de Pierre Bourdieu), muito dificilmente jovens de outros estratos sociais começariam suas vidas profissionais com esses "status" e com esses salários. O salário do filho de Eduardo Campos, que deverá ocupar a Chefia de Gabinete do governador Paulo Câmara, é superior aos R$ 7.000,00. 

O filho de Deputado Sílvio Costa (PTdoB), João Paulo Costa, que está sendo nomeado para uma Gerência Regional do Metrô do Recife, segundo se informa, deverá ser superior aos R$ 11.000,00. As manifestações do Movimento Brasil Livre - que protestam contra a nomeação do filho de Sílvio Costa - aqui para nós, carece de argumentos mais consistentes. O problema é estrutural, integra o conjunto de oportunidades que são oferecidas aos jovens, de acordo com o seu "habitus". A rigor, amigos, tanto uma situação como a outra são reveladoras dos "constrangimentos" ou "oportunidades" desiguais. É nessas circunstâncias que o discurso de meritocracia é solenemente solapado, posto que não passa de uma falácia. Meritocracia, como afirmou professor Michel Zaidan outro dia, neste contexto, pode ser sinônimo de "privilégios". Tanto num caso como no outro, estamos lidando com atores que circulam numa sopinha de letras conhecidas: apadrinhamento, familismo amoral, oligarquização, patrimonialismo e outros menos publicáveis. 

Portanto, pessoal, do Movimento Brasil Livre, a rigor, não se trata de se protestar contra esse ou aquele. Ambos são o resultado dessa engrenagem perversa.     

Nenhum comentário:

Postar um comentário