sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Artigo: Tonca: as coisas ditas por cima, as coisas ditas por baixo, as coisas não ditam. (Uma tentativa de aproximação da narrativa discursiva do ex-candidato)




Não escondemos nossa simpatia por algumas posições assumidas pelo escritor Antonio Campos, ex-candidato à Prefeitura da Cidade de Olinda, nessas últimas eleições municipais. Por exemplo, o fato de reconhecer os equívocos do partido - e familiares - no tocante ao tratamento dado a atores políticos como a vereadora Marília Arraes e o ex-governador João Lyra Neto, de acordo com ele, um fiel escudeiro da agremiação socialista e do irmão falecido, Eduardo Campos. A palavra "ingratidão" é recorrente em seu discurso. No dia de ontem escrevemos um longo texto ainda sobre este mesmo assunto, mas havíamos decidido não publicá-lo, para não alimentar ainda mais essas polêmicas e por entender que o interesse do assunto já havia passado. 

Mas eis que hoje fomos surpreendido por uma entrevista concedida pelo escritor ao jornal Folha de São Paulo, acerca deste mesmo assunto. De imediato, as postagens publicadas aqui no blog sobre o assunto passaram a ter um número expressivo de acessos. O mais curioso neste instante, além, claro, das críticas dirigidas a setores da agremiação, são os próximos passos do escritor. Não necessariamente os próximos passos, mas o que eles informam sobre os seus objetivos daqui para frente, como, por exemplo, uma reaproximação com os nomes históricos da agremiação socialista. (...)

(Conteúdo exclusivo, liberado apenas para os assinantes do blog)

Nenhum comentário:

Postar um comentário