sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Artigo: Um escândalo watergate em versão tupiniquim?


Na década de 70, os Estados Unidos foi sacudido por um grande escândalo político que culminou com a renúncia do presidente republicano Richard Nixon, para fugir de um inevitável impeachment. Este, com todas as justificativas legais possíveis. Ali, de fato, o processo de impeachment teria a proeza de defender o regime democrático dos seus violadores. Tudo começou com um simples "assalto" à sede do Partido Democrata, que mantinha sua base numa das salas do edifício Watergate. Tratado, a princípio, como um delito comum, o trabalho jornalistico de dois profissionais do jornal Washington Post, logo associaria o caso à Casa Branca, notadamente ao comitê de reeleição de Nixon. 

O que se viu em seguida foi uma teia de ações ilegais movidas pelo serviço de inteligência do FBI, com o conhecimento de Nixon, com o propósito de fotografar documentos privados e instalar escutas na sede do partido adversário. Os dois jovens repórteres, num trabalho minucioso de jornalismo investigativo, contaram com a apoio de uma fonte do próprio FBI, Mark Felt, também conhecido como "Garganta Profunda", falecido até recentemente. O cerco foi se apertando, revelando detalhes escabrosos da trama montada pelos republicanos para assegurar a reeleição de Nixon. Acossado, para Nixon, era renúncia ou impeachment.

Aqui em Olinda, passada a refrega do segundo turno das eleições municipais, o escritor Antonio Campos faz denúncias graves envolvendo elementos chaves do Governo Paulo Câmara, supostamente envolvidos em manobras de monitoramento de sua campanha. A princípio atribuída como uma "mágoa" de campanha do ex-candidato, a denúncia vem ganhando força na medida em que outros atores já teriam se manifestado sobre o mesmo assunto, assim como a disposição do senhor Antonio Campos em processar integrantes do governo Paulo Câmara, acusando-os de serem os principais responsáveis por essas manobras. Caso essas denúncias fiquem, de fato, provadas, estamos diante de um escândalo político gravíssimo.  

(Conteúdo exclusivo, liberado apenas para os assinantes do blog)

Nenhum comentário:

Postar um comentário