segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Editorial: Num país do "favor" e do "jeitinho", os princípios republicanos não se estabelecem.



Resultado de imagem para ricardo coutinho

Há quase um consenso entre grandes estudiosos da sociedade brasileira de que a democracia liberal entre nós, de fato, talvez não passe de um grande mal-entendido. É difícil mesmo princípios impessoais e republicanos se consolidarem numa sociedade do "favor", do "tapinha nas costas", do "jeitinho", num jogo de soma zero, que só favorece a elite, não se permitindo sequer o direito de exercício da cidadania a quem ocupa o andar de baixo da pirâmide social. Quando essa elite veem seus interesses "ameaçados", eles simplesmente vão lá e golpeiam as frágeis instituições de nossa democracia. Durante aqueles dias tumultuados que antecederam o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o governador do Estado da Paraíba, Ricardo Coutinho(PSB), assumiu uma posição claramente contra o impeachment e a favor da preservação do mandato da presidente.

Agora, na contingência de estabelecer um diálogo administrativo com o presidente Michel Temer(PMDB), este informou que não irá recebê-lo, numa atitude que se configura como de retaliação em razão de suas posições. Aqui na província, o governador Paulo Câmara(PSB) anunciou a exoneração do vice-presidente do PSB no Estado,Luciano Vasquez, que ocupava o cargo de Diretor de Relações Institucionais em SUAPE, também numa medida de retaliação pelo fato de ele ter apoiado o nome de Raquel Lyra(PSDB) à Prefeitura de Caruaru, quando o candidato do Palácio do Campo das Princesas era Tony Gel, do PMDB. (...)

(Conteúdo exclusivo, liberado apenas para os assinantes do blog)


Nenhum comentário:

Postar um comentário