sábado, 4 de fevereiro de 2017

Editorial: Michel Temer: Três manobras e uma constatação.


Resultado de imagem para michel temer/rodrigo maia/eunício oliveira

Outro dia, um conhecido blogueiro levantava uma questão bastante interessante sobre a "impossibilidade estrutural" do Brasil. Ou seja, somos um país do "jeitinho" que, no final, não tem jeito mesmo. Durante uma postagem recente, sobre a morte da ex-primeira-dama, Marisa Letícia, comentamos sobre o assunto, mas, em função do momento, não deu para invocar a alegoria do antropólogo Roberto DaMatta acerca desse tema. Entre outros aspectos, essa alegoria do DaMatta é bastante didática. Conta o antropólogo que um determinado ascensorista se viu na seguinte situação: a lotação do elevador social estava terminantemente esgotada, quando recebeu uma proposta indecente - mas tentadora - de um funcionário do prédio. Se ele, o ascensorista, permitisse seu ingresso no elevador, ele limparia a barra do sujeito com aquela empregada doméstica de latifúndio dorsal ( Gilberto Freyre) do 601. O ascensorista não resiste àquela proposta tentadora (Macunaíma -Mário de Andrade) e permite o ingresso do sujeito no elevador, mesmo conhecendo os riscos do excesso de lotação. Resultado: O elevador vai para o fundo do poço. Moral da história: A lógica dos interesses individuais leva ao desastre coletivo. Nada mais convergente com o nosso famoso "jeitinho", onde tudo funciona com um "por fora", numa lógica de "favor", onde as instituições se transformam em meras correntes de transmissões de capitais simbólicos, determinados pelo "habitus" dos indivíduos, numa referência ao sociólogo francês Pierre Bourdieu. 

Entre os ocupantes da presidência do Senado Federal ou da Câmara dos Deputadas, por obséquio, alguém teria uma vaga lembrança de alguém que passou por esses postos, nos últimos anos, e sobre os quais não pesavam nenhuma acusação grave de corrupção ou malversação com recursos públicos ou financiamento de campanhas? Pois muito bem. Os "novos" ocupantes desse postos também estão enredados nas delações premiadas dos executivos e ex-executivos da Construtora Odebrecht, que tiveram suas delações recentemente homologadas pelo STF. Eles possuem até apelidos engraçadas nas planilhas das "doações" da Empreiteira. "Índio" seria uma referência ao novo presidente do Senado Federal, o senador cearense Eunício Oliveira(PMDB). Rodrigo Maia, do DEM, que também foi eleito para mais um mandato, é conhecido como "Botafogo". Ambos são aliados do presidente Michel Temer, que mexeu seus pauzinhos políticos para a eleição de ambos. 

Numa segunda manobra, com o apoio da alta cúpula tucana ( leia-se Fernando Henrique Cardoso e o senador Aécio Neves), Temer, finalmente, emplacou o Deputado Federal Antonio Imbassahy para a Secretaria de Governo, cargo antes exercido por outro baiano, Geddel Vieira Lima, que deixou o cargo depois das denúncias de trafico de influência junto ao Ministério da Cultura para a edificação de um prédio de luxo no sítio histórico da capital daquele Estado. Com a manobra, como observou o blogueiro Josias de Souza, Temer leva os tucanos para aquele churrasco de domingo no quintal do Palácio Jaburu, inibindo ainda mais um incipiente esboço de independência daquela sigla. A manobra isola ainda mais as pretensões presidenciais de um outro tucano: o governador Geraldo Alckmin que, para variar, também anda enrascado com as denúncias envolvendo as delações premiadas do pessoal da Odebrecht. 

De quebra, Michel Temer ainda manobrou no sentido de ajudar um velho amigo: O ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Moreira Franco(PMDB), que será um futuro síndico do Palácio do Planalto, com status de ministério, o que lhes confere um foro privilegiado nas enrascadas em que está denunciado na Lava Jato. Como bem observou o jornalista Josias de Souza, no país do "jeitinho", nada se cria, nada se transforma, tudo se corrompe. Três manobra e uma única constatação. E essa "jogada" de criação de um Ministério dos Direitos Humanos? Voltamos a comentá-la mais tarde. 

P.S.: Contexto Político: Na realidade, a "maximização" dos interesses individuais levam ao desastre coletivo. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário