quarta-feira, 5 de julho de 2017

Editorial: A prisão de Geddel Vieira Lima


Laerte
No dia de ontem, o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira decretou a prisão do ex-ministro do Governo Michel Temer, Geddel Vieira Lima. O mandado de prisão já foi cumprido pela Polícia Federal. Neste caso em particular, a acusação que pesa contra Geddel é a de tentativa de obstrução da justiça. Geddel teria ligado para a esposa do doleiro Lúcio Funaro, desejando obter informações sobre a quantas andava os humores do marido e do ex-deputado Eduardo Cunha, que já se encontram presos, no curso das ações da Operação Lava Jato. Cunha ainda é uma incógnita, mas Funaro já anda testando os microfones para entrar no programa de delação premiada. Uma delação premiada de Funaro abre uma outra frente de investigação na máquina pública, desta vez envolvendo as operações de vantagens concedidas a agentes públicos na consecução de empréstimos concedidos por um banco público, a Caixa Econômica Federal, onde, num passado recente, Geddel ocupou funções estratégicas.
 
Como se observa, entende-se perfeitamente as preocupações do ex-ministro e um dos principais articuladores políticos do Governo Temer. Dizem que, mesmo afastado do Governo, Geddel Vieira Lima manteve o link com a base de sustentação do presidente Michel Temer, ajudando-o no possível. A prisão de Geddel representa mais um abalo para o já combalido Governo Temer, que articular-se diuturnamente para assegurar os apoios necessários para barrar as pretensões da Procuradoria-Geral da República, que pede autorização à Câmara dos Deputados para que ele seja investigado pelo STF. A princípio, o Governo Temer alardeava que a situação estaria sob controle, mas começa a esboçar uma grande preocupação sobre o comportamento dos deputados, sobretudo em razão do desgaste popular de votar por uma não autorização, diante de fatos novos, velhos e vindouros. Este é um governo que acumula fatos. Fatos negativos, registre-se, que surgem em intervalos regulares. Como bem observou o jornalista Josias de Souza, 50% deste governo já se encontra enrascado e os outros 50% se encontra na bimba do boi, como se diz aqui no Nordeste.
 
Há uma grande interrogação, no entanto, sobre como agirá o Supremo Corte neste caso, depois de ser acionado pelos advogados do ex-ministro Geddel Vieira Lima. Para o juiz federal Vallisney de Souza, para o cidadãos e cidadãs brasileiros parece não haver dúvidas sobre a conduta reprovável do ex-ministro do Governo Temer. A interpretação daquela Corte, no entanto, nem sempre acompanha esses raciocínios. Não seria surpresa, por exemplo, uma revogação da prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima. Circula nas redes sociais, no dia de hoje, uma afirmação, atribuída ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, comentando as últimas decisões daquela Corte, informando que alguém precisa por ordem na casa. Então, tá!. As tiras do cartunista Laerte, publicada na edição do jornal Folha de São Paulo, do dia de hoje, como ilustram bem esta situação.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário