quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Acabou a novela. Paulo Câmara é o escolhido.


Não se pode dizer, necessariamente, que o atual Secretário da Fazenda do Governo de Pernambuco, Paulo Câmara, possivelmente o escolhido pelo governador Eduardo Campos para tentar sucedê-lo no Palácio do Campo das Princesas, seja um azarão. Eduardo deu "corda" à extensa lista de pretendentes para que se movimentassem, habilitando-se ao cargo de canditado ao Governo do Estado pelo PSB. Com maior ou menor ousadaia, todos fizeram a lição de casa. Paulo Câmara é um novato, possui algumas arestas na máquina partidária, é casado com uma prima distante de Renata Campos, esposa do governador, mas talvez seja o menos chamuscado. Nove fora os demais concorrentes, Câmara possui um perfil técnico, recaindo a escolha sobre um quadro que possa reproduzir o que ocorreu com Geraldo Júlio quando concorreu à Prefeitura da Cidade do Recife em 2010. Essa é a aposta socialista, que pretende jogar a carga da experiência política na candidatura a senador de Fernando Bezerra Coelho, que ainda não disse se aceita ou não. Se aceitar, certamente, será uma peça importante no tabuleiro sucessório de 2014. Se recusar, abre um precedente perigoso nas hostes socialistas, consolidando uma dissidência que já vem sendo esboçada pelos que ficaram pelo caminho, a exemplo do vice-governador, João Lyra Neto. Circunstâncias políticas específicas, conforme já afirmamos anteriormente, reorientaram a escolha do governador. Apesar de seus atributos, Paulo não figurava entre os primeiros nomes da lista de Eduardo Campos. Ainda penso que "Andrei Gromiko" encabeçava essa lista. Conhece a engrangem da máquina estadual como poucos. Possui informações privilegiadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário